6 de julho de 2022 9:53 AM

JUNHO VERMELHO

Assembleia Legislativa lança campanha para incentivar servidores a doar sangue

A campanha Junho Vermelho faz parte do Calendário Oficial de Eventos desde 2019
Foto: Jader Souza
Estoque do Hemoraima causa preocupação em razão do baixo índice de doadores regulares
Juliana Dama

A Assembleia Legislativa (ALE-RR) promove, em alusão ao Junho Vermelho, a campanha “Doe sangue, doe vida” para incentivar a doação entre os servidores, que irão, nesta segunda (20) e terça-feira (21), até o Hemocentro de Roraima (Hemoraima).

“A Assembleia Legislativa convida todos os servidores e a população em geral para que se unam e juntos possamos abastecer o estoque de sangue do Hemoraima. É de suma importância que outras instituições possam também dar esse exemplo. Doar sangue é doar vida”, afirmou o superintendente-geral da ALE-RR, Orlando Vagno.

Em Roraima, a campanha Junho Vermelho faz parte do Calendário Oficial de Eventos desde 2019, por meio da Lei nº 1.361/19, da deputada Yonny Pedroso (SD). Segundo a parlamentar, o objetivo é conscientizar a população sobre a importância de ajudar o próximo.

“Temos a nossa lei desde 2019, em que incentivamos mais doadores e conscientizamos as pessoas sobre a importância de doar sangue. O melhor sangue, a melhor tipagem, é a sua. Você vem, faz uma triagem rápida e em alguns minutos já está liberado e contribuindo para salvar muitas vidas”, afirmou.

O ato de solidariedade, apesar de simples e desburocratizado, ainda causa preocupação em razão do baixo índice de doadores. De acordo com a assistente social do Hemocentro de Roraima (Hemoraima), Hellen Bessa, em junho ocorre uma expressiva queda de estoque no banco de sangue em todos os hemocentros do Brasil, e em Boa Vista não é diferente.

“Essa queda expressiva no estoque de sangue decorre de vários fatores, entre eles período chuvoso [o doador não sai de casa]; adoecimento da maioria dos doadores mais frequentes [doadores com sintomas gripais] e período de férias [os doadores saem da cidade em férias]. Tudo isso contribui para essa expressiva queda de estoque de sangue”, explicou Hellen.

O Hemoraima é responsável por disponibilizar bolsas de sangue a todas as unidades hospitalares do Estado, sejam públicas ou privadas. Por este motivo, segundo Hellen, o número de doadores voluntários causa preocupação.

“É muito preocupante. O ano tem 365 dias e todos os dias alguém nas unidades de saúde necessita de sangue. Ser doador deveria ser um hábito cultural de ajudar ao próximo. Portanto, para ser doador, a pessoa precisa ser altruísta. Essa iniciativa da Assembleia Legislativa é fundamental”, afirmou.

Conforme a gerente de captação do Hemoraima, Maria Madalena Menezes, o recomendável é que homens façam quatro doações ao ano, com intervalo de 60 dias, e mulheres, três, respeitando o intervalo de 90 dias.

“Na segunda doação do semestre, é possível adquirir a carteira de doador, que é muito importante, porque vai estar registrado nela o tempo de doação. Além disso, faz com que o doador tenha acesso a alguns benefícios, a exemplo de isenção na inscrição para concursos e meia-entrada em locais, como cinema e teatro”, explicou.

 Leis de incentivo à doação

Para incentivar a doação de sangue, Roraima dispõe de leis que concedem benefícios aos doadores regulares, como:

  • Isenção na taxa de inscrição em concursos públicos no Estado, conforme a Lei nº 167 de 1997, de autoria da ex-deputada estadual Zenilda Portella;
  • Pagamento de meia-entrada em todos os locais públicos de cultura, esporte e lazer, como teatros, museus e cinemas, de acordo com a Lei nº 1.325 de 2019, do deputado Neto Loureiro (PMB) e do ex-deputado Jalser Renier (SD);
  • Concessão do Selo Sangue Amigo às universidades que estimularem o trote solidário com o objetivo de incentivar a doação de sangue, segundo a Lei nº 1.548 de 2021, do deputado Neto Loureiro (PMB);
  • Abono de falta no trabalho no dia da doação sem desconto na folha de pagamento uma vez a cada 12 meses, conforme artigo 473 da Consolidação das Leis do Trabalho (CLT).

Além disso, a Lei nº 169 de 1997, do ex-deputado estadual Célio Rodrigues Wanderley, determina aos doadores cadastrados em programas da Setrabes a concessão mensal de uma cesta básica; vinte vales-transportes e uma passagem em transporte intermunicipal, de ida e volta, no trecho capital-residência do doador; exames ambulatoriais e hospitalares com prioridade no atendimento.

Já a Lei nº 1.571 de 2021, da deputada Tayla Peres (Republicanos), determina a fixação de cartazes nos estabelecimentos comerciais que ofereçam serviços de aplicação de tatuagem, piercing ou maquiagem definitiva, informando o impedimento de doação de sangue por determinado período.

Da ex-deputada Suzete Mota, a Lei nº 273 de 2000 institui no âmbito da Secretaria de Estado da Saúde ações de fiscalização e controle da qualidade do sangue utilizado no sistema estadual de saúde.

Ainda no mês de junho, o Parlamento também estabeleceu o dia 14 como o “Dia Estadual do Doador de Sangue”. Elaborada pelos ex-deputados Jalser Renier (SD) e Naldo da Loteria, a Lei nº 1.014/15 determina a realização de palestras, propagandas e campanhas visando conscientizar a população e ampliar o acesso às ações de coleta e doação de sangue.

 Como doar

Para doar, é necessário estar em boas condições de saúde e bem alimentado, pesar acima de 50 quilos, ter entre 16 e 69 anos, e apresentar documento original com foto.

Além disso, recomenda-se não ingerir alimentos gordurosos até 4 horas antes da doação, e 12 horas no caso de bebidas alcóolicas.

Estão impedidas de doar pessoas gripadas; que tenham feito tatuagem ou colocado piercing há menos de um ano; que tenham tido hepatite após os 11 anos de idade; tenham realizado endoscopia ou colonoscopia nos últimos seis meses e sejam usuários de drogas ilícitas.

O Hemocentro fica na avenida Brigadeiro Eduardo Gomes, 3418, bairro Aeroporto, ao lado do Hospital Geral de Roraima (HGR), e funciona de segunda a sexta-feira, das 7h30 às 12h e das 13h30 às 18h.

Também é possível tirar dúvidas por meio do telefone (95) 2121-0831.