20 de agosto de 2022 1:11 AM

ASCENSÃO FUNCIONAL

Assembleia Legislativa vai intermediar diálogo com governo para corrigir interstício de bombeiros

Foto: Márcio Magalhães
Trinta militares aguardam adequação na carreira há cerca de dois anos; ‘vamos nos reunir com o governador e buscar soluções’, se comprometeu Sampaio   
Felipe Medeiros

O presidente da Assembleia Legislativa de Roraima, deputado Soldado Sampaio (Republicanos), se comprometeu a levar ao governador Antonio Denarium (PP) possíveis soluções que corrijam o prazo de promoção de sargentos do Corpo de Bombeiros Militar de Roraima. Um grupo de representantes dos militares foi recebido na noite de quinta-feira (31), na sala de reuniões do Legislativo. Eles pedem a adequação do tempo de serviço e posterior promoção a 3º sargento.

Os militares terminaram o curso de sargento em 24 de janeiro de 2019. Devido ao estado de calamidade em Roraima, a promoção só ocorreu em dezembro do mesmo ano. Entretanto, independentemente da data, o Decreto nº 229/87, que regulamenta as promoções de praças dos militares estaduais, a ascensão na carreira deve ocorrer ao término do curso de formação, o que não houve. Os bombeiros movem uma ação na Justiça para que recuperem esse tempo. O procurador-geral da Casa, Paulo Holanda, também participou da reunião e explicou os procedimentos já encaminhados à Procuradoria-Geral do Estado (Proge).

“Vamos tentar resolver administrativamente. Sabemos da independência dos Poderes, mas vamos buscar também um diálogo para sensibilizar o Judiciário para o julgamento da ação que está em andamento. Vamos, também, promover uma conversa com o governador e o comandante do Corpo de Bombeiros em busca de uma resolução. É um pleito legítimo e, como aqui é a Casa do Povo, estamos sempre de portas abertas para receber as demandas da sociedade”, explicou Sampaio.

Joana Oliveira é 3º sargento do CBMRR e participou na reunião. Ela disse que, se tivesse sido promovida, estaria atualmente mais próxima de subir de nível na corporação.  “Devido à quebra de interstício, conseguiria ser 2º sargento com dois anos e meio, mas agora fica mais difícil com a perda de um ano. Não consigo alcançar esse período. Perco mais de R$ 1 mil por mês no meu salário, ou seja, é um impacto muito grande nas nossas famílias”, disse.

A deputada Angela Águida Portella (PP) acompanhou a reunião e garantiu que vai unir forças ao presidente para dialogar com o Executivo. Segundo ela, é preciso ressaltar que o Governo do Estado tem sido receptivo às causas dos servidores públicos.