22 de maio de 2022 4:38 PM

Protesto

Manifestantes pedem justiça por morte de Moïse

Foto: Tomáz Silva - Agência Brasil
Ato reuniu familiares do congolês e defensores de direitos humanos
Vladimir Platonow

Centenas de manifestantes fizeram um protesto neste sábado (5), em frente ao quiosque Tropicália, na Barra da Tijuca, onde o congolês Moïse Kabagambe foi morto. O ato reuniu familiares de Moïse e dezenas de entidades defensoras da causa negra e dos direitos humanos, além de organizações políticas diversas.

A mãe de Moïse, a congolesa Ivana Lay, discursou rapidamente, em cima do carro de som, e pediu justiça: “Queremos justiça para o Moïse, até o final”.

Yvonne Lay, mãe do congolês Moïse Kabagambe fala durante ato em memória de seu filho, na Barra da Tijuca, no Rio de Janeiro
Yvonne Lay, mãe do congolês Moïse Kabagambe fala durante ato em memória de seu filho no Rio de Janeiro – Tomaz Silva/Agência Brasil

Para o babalorixá Ivanir dos Santos, representante da Articulação das Populações Marginalizadas, a violência contra os negros é centenária no Brasil: “A nossa luta não começou agora. Esse é mais um passo na busca pelos nossos direitos.”

No início da manifestação, um pequeno grupo tentou depredar o quiosque, mas foi prontamente reprimido com palavras pelos organizadores do protesto.

A prefeitura do Rio anunciou que os dois quiosques que foram “palco” para o assassinato de Moïse, na noite de 24 de janeiro, serão transformados em memorial ao jovem congolês, com a possibilidade de ser administrado pela sua família.

Após a concentração do ato, em frente ao quiosque, os manifestantes seguiram em passeata, pela Avenida Lúcio Costa, na orla da praia.

Botamba Ipombela, um integrante da Comunidade Congolesa do Rio de Janeiro, ressaltou que Moïse saía cedo para trabalhar, a fim de levar comida para casa. “Ele estava reclamando só o dinheiro dele, para levar arroz, feijão e carne para casa. A vida dos congoleses é muito difícil aqui no Rio. Só 20% têm carteira assinada. A maioria sai à rua para vender água, vender outras coisas, para trazer comida para a família”, disse Botamba.

A representante do Movimento Moleque e da Comissão dos Direitos Humanos da Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro (Alerj) Mônica Cunha lembrou que a luta contra o racismo também precisa da solidariedade da população branca, embora só os negros saibam, de fato, o que passam no dia a dia. “A gente não aguenta mais ver os nossos no chão. O racismo é um problema histórico. Só quem é preto sabe o que está sofrendo. E os brancos têm que ser solidários”, ressaltou Mônica.

Outros estados

Em São Paulo, o ato aconteceu da 10h às 14h no vão do Museu de Arte Moderna de São Paulo (Masp), localizado na Avenida Paulista, onde se reuniram vários movimentos sociais, de imigrantes e o movimento negro. Segundo participantes, o objeltivo foi reivindicar justiça pela morte de Moïse e dizer que Vidas Negras Importam, assim como a vida de todos os negros que são mortos brutalmente no Brasil.

A coordenadora estadual de São Paulo da Frente Nacional Antirracista, Leticia Gabriella, disse que a luta antirracista é fundamental para a construção de um país justo. “Não podemos normalizar a morte do povo negro e muito menos dos nossos irmãos africanos. Temos que juntos clamar por justiça, mas também precisamos lutar para garantir o direito à vida dos negros brasileiros e africanos. A luta antirracista é fundamental para a construção de um país mais justo e igualitário.”

Em Recife (PE) o ato será às 16h, em frente ao Shopping Boa Vista, no centro da cidade.