19 de maio de 2022 3:33 PM

Guerra Russo-Ucraniana

Sem avançar por terra, Rússia bombardeia cidades ucranianas

Foto: Social Media - Reuters
Segundo países ocidentais, forças russas não fazem progresso por terra
Agência Reuters

As forças russas na Ucrânia estão bombardeando cidades e matando civis, mas não estão mais fazendo progresso por terra, disseram países ocidentais nesta quinta-feira (17). A guerra que Moscou esperava vencer em poucos dias entrou em sua quarta semana.

Autoridades locais afirmaram que equipes de resgate na cidade portuária sitiada de Mariupol, no Sul do país, vasculham escombros de um teatro onde mulheres e crianças estavam abrigadas, bombardeado por forças russas no dia anterior.

“O abrigo antibombas resistiu. Agora os escombros estão sendo removidos. Há sobreviventes. Ainda não sabemos sobre [número de] vítimas”, disse o assessor municipal Petro Andrushchenko à Reuters.

A Rússia negou ter atingido o teatro. Imagens comerciais de satélite mostraram a palavra “crianças” marcada no chão, antes da explosão.

Mariupol sofre a pior catástrofe humanitária da guerra, com centenas de milhares de civis presos há semanas em porões sem comida, água ou energia. As forças russas começaram a liberar algumas pessoas em carros particulares nesta semana, mas impediram que missões de ajuda cheguem à cidade.

Viacheslav Chaus, governador de uma região na cidade de Chernihiv, no Norte, que foi intensamente bombardeada, disse que 53 civis foram mortos nas últimas 24 horas. O dado não pôde ser verificado de forma independente.

Na capital Kiev, um prédio no distrito de Darnytsky foi amplamente danificado. Autoridades disseram ser destroços de um míssil disparado no início da manhã.

Enquanto os moradores tiravam os vidros e levavam as sacolas com seus pertences, um homem se ajoelhou chorando, ao lado do corpo de uma mulher que estava perto de uma porta, coberta por um lençol ensanguentado.

Embora os dois lados tenham indicado progresso limitado nas negociações de paz nesta semana, o presidente da Rússia, Vladimir Putin, que ordenou a invasão em 24 de fevereiro, mostrou poucos sinais de ceder.

Em um discurso pela televisão, ele criticou “traidores e escória” de dentro do seu país que estariam ajudando o Ocidente, e disse que o povo russo os cuspiria como mosquitos.

Dmitry Medvedev, vice-chefe do Conselho de Segurança de Putin, afirmou que os Estados Unidos alimentaram uma russofobia “nojenta”, em tentativa de forçar a Rússia a se ajoelhar: “Não vai funcionar – a Rússia tem o poder de colocar todos os nossos inimigos impetuosos em seu lugar”.

Kiev e seus aliados ocidentais acreditam que a Rússia lançou a guerra não provocada para dominar um vizinho que Putin chama de Estado artificial. Moscou diz que está realizando “operação especial” para desarmar e “desnazificar” a Ucrânia.

Forças ucranianas em grande número impediram Moscou de capturar qualquer uma das maiores cidades da Ucrânia até agora, apesar do maior ataque a um Estado europeu desde a Segunda Guerra Mundial. Mais de 3 milhões de ucranianos fugiram e milhares de civis e combatentes morreram.